Comprar a casa própria é a meta de vida de grande parte da população brasileira. Mas o que muita gente não sabe é que o real valor de um imóvel abrange uma série de custos que raramente são mencionados quando o assunto é colocado em pauta, e não estou falando apenas da parte burocrática envolvida em uma transação imobiliária.

Neste conteúdo, você entenderá o que significa o valor real de um imóvel e quais fatores são levados em consideração na hora de determiná-lo. Continue a leitura para saber mais!

Quais aspectos são avaliados ao definir o valor de um imóvel?

Sem dúvida, a localização é um dos pontos mais importantes quando o assunto é precificar uma propriedade. Toda cidade tem os bairros mais visados, nos quais o preço do metro quadrado pode ser muito maior do que em outras regiões que sejam menos luxuosas.

Além disso, o valor real de um imóvel pode variar até dentro do mesmo bairro, já que algumas ruas podem ser mais tranquilas, mais bem policiadas e próximas de comércios ou serviços úteis como hospitais, escolas, supermercados etc.

As características físicas também contam bastante, a ponto de um imóvel poder ter um preço menor mesmo que esteja bem localizado. É o caso, por exemplo, de propriedades antigas ou que tenham a infraestrutura comprometida (fiação, encanamento e outras partes da estrutura).

Também é considerado o fato de se tratar de um imóvel usado, novo ou na planta, isto é, se nunca foi ocupado ou se já teve diversos moradores.

Quais custos extras são englobados no valor real de um imóvel?

Se você estiver guardando dinheiro para comprar uma casa ou apartamento, é preciso entender quais são os custos que impactam o valor real de um imóvel. Acompanhe!

Powered by Rock Convert

Imposto de Transmissão de Bens Imóveis (ITBI)

É cobrado pela prefeitura municipal sempre que uma transação imobiliária de compra e venda é realizada. Para que o comprador tenha a garantia de que adquiriu um novo patrimônio, é essencial que o ITBI seja pago. Sua alíquota varia de uma cidade para outra, mas, em geral, representa 3% do valor de mercado da propriedade.

Escritura pública

É simplesmente um dos documentos mais importantes que existem em uma transação de compra e venda de imóveis. Afinal, é a escritura pública que mostra quem é o proprietário do bem. O valor para emiti-la varia conforme o estado no qual a propriedade está localizada.

Taxa de avaliação

Caso se trate de um imóvel financiado, a instituição bancária só aprovará a concessão de crédito mediante avaliação do bem por um profissional (para que seu valor de mercado seja definido oficialmente). Em geral, quem realiza o processo é um engenheiro credenciado pelo banco ou financeira e o custo de seu serviço é adicionado ao valor do imóvel.

Registro de imóveis

Trata-se do reconhecimento formal do imóvel como uma propriedade. Seu custo costuma girar em torno de 1% do preço do imóvel. Contudo, assim como as taxas anteriores, pode mudar de uma região para outra.

Custos recorrentes

Resumidamente, são os demais custos que a transação de compra e venda imobiliária envolvem, como Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), além de taxas condominiais (se for o caso de uma propriedade localizada em um condomínio) e possíveis taxas cobradas pelo cartório.

Como você pôde conferir, é muito importante conhecer o real valor de um imóvel e quais custos indiretos influenciam seu preço de mercado, pois isso ajuda no planejamento para conquistar o sonho da casa própria.

Este conteúdo foi útil para você? Então não deixe de compartilhá-lo nas redes sociais para que seus amigos e familiares fiquem por dentro do assunto também!

Powered by Rock Convert